sábado, dezembro 31, 2011

Um bom ano qualquer

  Certamente esse ano só poderia ser descrito como um presente. Talvez uma recompensa pelos esforços e por todas as coisas que abdiquei em 2010 em prol de um sonho, um sonho que de certa forma foi moldado ainda em 2007: cursar Comunicação Social- Jornalismo. Esse ano não foi especial apenas pela minha aprovação na UFPA, mas principalmente por tudo o que esse status de universitária me proporcionou. Especialmente pelas pessoas maravilhosas que conheci durante este ano. Sem dúvidas, essas pessoas, mais precisamente 50, são as principais responsáveis pelo meu ano ter sido tão especial assim.
  Após minhas três aprovações no vestibular (UEPA, UFPA e UFRA, respectivamente) tive dúvidas a respeito de qual delas cursar. Minha indecisão era sobre optar por uma condição financeira estável ou uma instável que, todavia me faria imensamente feliz. Contei com a ajuda de muitas pessoas para tomar minha decisão, mas duas foram muito especiais. Duas pessoas que nem se sequer me conheciam e que me deram um grande apoio e fizeram o que muitos conhecidos não fizeram, incentivaram-me a seguir meu sonho. Agradeço muito à Gabrielle Malato e Gustavo Ferreira, sem vocês não teriam perdido meu medo de escolher o jornalismo, e não teria passado por experiências indescritíveis que recordarei para sempre.
  Sem o apoio dessas duas pessoas citadas a cima, eu talvez tivesse optado por Agronomia, e estaria fazendo cálculos loucamente enquanto esperava o Bagé. Se eu tivesse ido para a UFRA, não teria encontrado um grupo de pessoas conhecidas perante os outros como calouros de comunicação social 2011, mas que na verdade se tornou uma grande família, a Família Comunicação. Estamos divididos em dois grupos, mas essa divisão é rompida a partir do momento que ultrapassamos as portas das salas e dos laboratórios.
  Dentro dessa família existem pessoas que me identifico e que convivo mais, e por isso merecem um destaque maior. Começando pela parte pobre da família. Pessoas legais - nem um pouco normais - que possuem um imenso amor pelas letras, que às vezes ignoram uma matéria, mesmo que bem escrita, se ela estiver com uma diagramação ruim, enfim, os futuros viciados em café: os jornalistas. Os agradeço pelas madrugadas de desespero no twitter, na qual estávamos produzindo loucamente nossas matérias, mesmo que no dia seguinte elas fossem praticamente jogadas ao lixo.
  Agradeço aqueles que aturam meus dramas diariamente, especialmente a minha maldita favorita, Natália Costa, obrigada pelos conselhos (desculpa por não seguir nenhum). Ao Renan Mendes, que mesmo sem opinar em nada se faz entender apenas com suas expressões faciais. Leandro Ribeiro - seu vascaíno escroto – sabe que te odeio né? Principalmente por que não consigo esconder nada de ti, mas isso às vezes é legal, por que me dizes o que nem eu mesma sei que estou sentindo. Gustavo Ferreira, bambi, nunca terei palavras pra te agradecer por tudo. Carlos Fernando, obrigada por sempre me fazer sorrir, mesmo quando tudo parece estar ruim, e também pela segurança que me transmites num simples abraço. Agradeço ao Caio Luan por me ensinar uma coisa nova a cada dia. Lorena Saraiva, obrigada pelas broncas, elas foram muito úteis. Gabriela Amorim, obrigada por tudo pessoa. Aos demais, muito obrigada.
  E agora a parte Rhyca e Phyna da família. Pessoas sem igual, muito criativas, que normalmente compram produtos pela embalagem. Apesar de não convivermos tanto assim, há pessoas que conseguiram me conquistar de tal forma, mesmo nesse pouco tempo. Agradeço aos meus pretos favoritos, Roberta Aragão e Fernando Henrique e ao branquelo intruso, Rafael Sarmanho, obrigada por aturar meus dramas mesmo sem conseguir acompanhar todos. Renan Barreto, obrigada por me acompanhar na minha peregrinação atrás de algodão-doce amarelo, e por ter me aturado durante toda a semana do AFW. Rhuanne Pereira, melhor companheira de busão ever!
  Sem deixar de lado também as pessoas que conheço há mais tempo. Sem o suporte da minha família, a conquista relatada no primeiro parágrafo teria sido impossível. Agradeço muito a algumas pessoas que não me deixaram abaixar a cabeça após o fracasso de 2010, umas gurias que eu amo muito: Bianca Cardoso, Aline Coimbra, Tayana Arrais, Jéssica Cavalcante, Jane Ferreira e Carol Dias. Além é claro das pessoas maravilhosas que conheci há pouco tempo e que torceram (torcem) muito pelo meu sucesso: Fernanda Bastos, Paula Leão e Nicky Oliveira. Agradeço também a um gordo maléfico que retornou a minha vida nesse ano e que apesar do ‘ódio’ do passado ele se tornou um grande amigo nesse ano que finda, obrigada Adriano Aviz.
  Bem nesses 17 anos houveram tantas pessoas que passaram pela minha vida. Mas infelizmente uma pessoa se foi, uma velha amiga de infância, Elziane Caetano. Deus sabe o que faz, então creio eu que se isso ocorreu é por que deveria ser o melhor pra Anne. A morte dela foi um grande choque, e sem dúvidas um dos únicos momentos ruins deste 2011. Como a maioria das perdas, a da Anne, me fez refletir bastante, e o fato dela ser apenas um ano mais velha que eu, fez com que sua morte me atingisse mais ainda. Esse choque, foi a prova de que isso aqui chamado vida, vai acabar quando menos esperamos. Por isso, em 2012 não viverei como se fosse meu último ano - como a maioria das pessoas que creem que o fim do mundo será no próximo ano – viverei como fiz em grande parte deste ano, cada dia como se fosse o último.
*Peço perdão às pessoas que não tiveram seus nomes citados no texto acima, se fosse agradecer por cada sorriso de vocês que fizeram com que esse ano fosse especial, eu só acabaria de escrever esse texto em 2015. 

sexta-feira, dezembro 30, 2011

Confusões momentâneas

  Ano novo chegando então resolvi fazer uma faxina nos textos. Esses 4 foram escritos em tempos aleatórios e portanto dificilmente encontrarás alguma conexão entre eles. Eu mesma que os escrevi - com o passar do tempo e por consequência das emoções contidas neles – reconheço que eles perderam um pouco da intensidade pra mim. Mas eu não iria mandá-los pra minha lixeira, então resolvi postá-los.

***

  Ai solidão! Há tempos me persegues, e por mais que eu tente me esconder, sempre dás um jeito de me encontrar novamente. E em dias chuvosos como este, parece que te apossas de mim de tal forma que chega a doer. Então ponho uma roupa qualquer, e deito-me. Reviro-me na cama, para sacudir minha alma e assim tento me livrar de ti. Mas és teimosa, insistes em continuar aqui ao meu lado. E já que minha cama está vazia, acabo por contentar-me em ter-te aqui comigo nesse frio. Pois mais uma vez, és minha única companhia, solidão.
________________________________________________

   Quem disse que viver é fácil? Viver implica em algo muito maior do que apenas respirar. Perder o medo de enfrentar o mundo é o primeiro passo. Porque não adianta tentar se manter o máximo possível preso num quartinho, tentando se proteger, porque um dia terás que sair desse quartinho e será inevitável apanhar da vida assim que puseres o primeiro pé para fora das quarto paredes. Então, na primeira oportunidade em que te oferecem a chave para sair desse quartinho, pegue-a, segure-a com todas as tuas forças. Quanto mais cedo saíres desse mundinho confortável, mais cedo te acostumarás à ideia de cair e levantar. Sim, cair e levantar. Porque o mundo que te espera aqui fora é feito de altos e baixos. É feito de dias primaveris e de dias soturnos. A principio enquanto ainda não tens noção do quanto és forte, parece que os dias soturnos jamais acabarão. Mas quando tomares conta que és capaz de superar as barreiras do caminho, vais ver que esses dias escuros serão tão insignificantes diante da alegria que virá com os dias de sol. Perder o medo de viver não é tão fácil assim, mas te asseguro que vale muito a pena.
________________________________________________

  Ah se ele soubesse das coisas que renunciei em prol de sua felicidade. Se ele soubesse que a cada amanhecer ele é minha motivação para chegar ao fim do dia. Se ele soubesse que quando acordo, às vezes meio adormecida, sem se quer ter aberto os olhos, ele é meu primeiro pensamento do dia. Se ele soubesse que um simples sorriso seu, quebra o gelo que por tempos cercou meu coração. E se ele também soubesse que o simples fato de cogitar saber que seu sofrimento é culpa minha, os pedaços partidos do meu coração, se despedaçam. Talvez se ele soubesse o quanto o amo, não me cobrasse respostas. Não tentaria me entender, e apenas esperaria o tempo, o nosso tempo chegar. E aí sim, caso ele ainda não soubesse de tudo isso, contaria a ele o que há tempos guardo.
_________________________________________________

  Olho pra trás e vejo como o tempo passou rápido. Recordo as adversidades ao longo do caminho. Dias ruins que pareciam nunca acabar. Dias bons que passavam correndo, deixando-nos cheios de saudades. Penso nas loucuras que fizemos, e nas que deixamos de fazer. Sempre recordo dos bons e dos maus momentos. Me pergunto: o que seria de um sem o outro? E concluo que é melhor assim. De que adiantaria ser feliz o tempo inteiro? Jamais valorizaria os momentos de alegria, justamente pelo fato deles serem “eternos”. Acabei concluindo que pouco importa se os momentos ruins demoram anos para acabar e os bons duram apenas minutos, o que importa são as histórias que temos pra contar.

sábado, dezembro 24, 2011

O maior presente


   As luzes pela cidade indicam a época em que estamos. A gratidão e a compaixão tomam conta dos corações. A solidariedade está em cada olhar. As lojas estão lotadas. Todos em busca do presente perfeito. O presente que simbolize a importância daquele que o receberá.
   Mas para mim os presentes embaixo da árvore pouco importam. Os cartões musicais com luzes de neon tão pouco. Nada supre a tua ausência. A saudade do teu abraço e das tuas risadas me consome.
   Enquanto os sinos tocam e todos correm para abrir seus presentes, eu apenas fecharei meus olhos e, por alguns segundos mais, pedirei a única coisa que desejo.
   Quando o relógio apontar meia noite, um simples telefonema me confortará. Ouvir tua voz, mesmo que trêmula disfarçando o choro, mostra-me que também sentes minha falta.
   Os presentes continuam embaixo da árvore, eles não me importam. Estou perdendo o desfazer dos laços e o estourar do champagne, mas isso também não me importa, porque a única coisa da qual eu preciso neste natal é você.
___________________________________________________

   Nota: Numa noite qualquer no twitter, um assunto tomou conta da minha TL, e a cada tweet pude perceber que esse sentimento mexe com qualquer pessoa, até aquelas que normalmente não demonstram o que sentem.

S- A- U- D- A- D- E

   Segundo o dicionário, saudade significa: Recordação, ao mesmo tempo triste e suave, de pessoas ou coisas distantes ou extintas, acompanhada do desejo de tornar a vê-las ou possuí-las.
   No entanto, para aqueles que sentem saudade, ela se caracteriza por um aperto no peito que consome de tal forma que parece que não iremos aguentar.
   Em algumas épocas do ano, como o natal, estar ao lado das pessoas que amamos é de suma importância. Mas nem sempre podemos estar ao lado de todos, então quis escrever esse post para dizer a aqueles que amo e que não posso estar ao lado na noite de hoje, que a distância só demostra a existência de um sentimento, que às vezes até parece bobo, um sentimento conhecido como: saudade.
                                                                                                                   Feliz Natal! 

sexta-feira, dezembro 09, 2011

"Coragem"

Nota: Antes de começares a ler, indico que apertes o play e ouça essa música (sem prestar atenção ao clipe) apenas ouça enquanto lês.



--------------------------------------------------------------------------------------------

    Vais me questionar ao ler esse texto, pois dizes que eu não sou capaz de escrever nenhum dos que estão aqui, já que sou desprovida de sentimentos. Talvez, esse texto seja a única forma de te dizer o que eu nunca consegui proferir.
   Talvez, eu nunca tenha dito com palavras, mas com gestos sutis algum dia disse “TE AMO”. Sei que hoje se tornou tarde demais pra isso. Mas não posso continuar inerte, enquanto pedes pra eu ir embora, porque na verdade eu não quero ir. Pode parecer loucura, mas prefiro continuar ao teu lado, mesmo que isso me doa, do que cumprir a promessa que te fiz.
   Me afastar? Eu nunca conseguirei. A cada vez que ouço teus passos, meu coração ainda acelera. É como se o tempo não tivesse passado, é como se hoje ainda fosse aquele dia de agosto.
   Dizes que eu nunca te dei atenção, que nunca realmente te amei, que apenas senti pena, e que tudo foi uma farsa. Bem, eu queria que fosse isso, queria que essa imagem de pessoa fria que tens de mim fosse verdade. Mas o único motivo da minha suposta indiferença é que apenas estava me protegendo.
   Não importa como, mas eu te amo. Talvez não seja do jeito que tu queres. Bem, na verdade nem eu sei como, mas te amo. Te amo pelos inúmeros defeitos que tens, porque as qualidades ficam a mostra, e eu gosto das coisas além do teu ser, aquilo que os outros não enxergam. Eu te amo pelo que tentas esconder.
   Pode até parecer doentio, mas eu prefiro que dispare torrentes de mágoas sob mim do que te ver passar ao meu lado sem proferir um “Bom Dia!” sequer. Já te disse, não importa como, mas te quero ao meu lado.
   Não quero que esse seja nosso fim definitivo, mas preciso, precisamos! Agora que tudo foi esclarecido, podemos seguir em frente. Apenas te peço desculpas, por sei lá o quê. E prometo que nunca mais serei o motivo da tua insônia.
   Eu não quero que esse texto acabe, porque não quero me silenciar diante de ti. Mas tenho que fazer isso. E já que essas serão minhas últimas palavras dirigidas a ti, essas palavras serão aquelas que eu nuca tive coragem de proferir: TE AMO!




terça-feira, novembro 29, 2011

Sem hora marcada

Não importa o quanto planejes, o amor chega apenas e tão somente na hora certa. Não importa se tentas com uma pessoa diferente a cada semana, ele não vai surgir se planejares. Enquanto estiveres mascarando as tuas verdades para que ninguém veja teus pontos fracos, o máximo que conseguirás serão romances fracassados. Quando se ama de verdade, não se ama porque a tal pessoa tem olhos lindos, gosta de boa música, se veste bem, tem boa educação e afins. Amamos as pessoas por suas qualidades sim, mas acima de tudo, as amamos pelos seus defeitos.


domingo, novembro 20, 2011

No banquinho amarelo

  Alguns conversavam, outros cantavam, e uns poucos se beijavam. Tu estavas ali, no cantinho da sala, próximo à porta, apenas observando o que rolava no ambiente. E a cada vez que a porta se abria olhavas para ela com os olhos pintados de esperança, como se esperasse por alguém que te resgatasse daquele ambiente.
  E eu, no intervalo de cada música que tocava, te olhava pelo canto dos olhos querendo atravessar a sala e te puxar dali. Te levar para um outro local no qual tu pudesse te sentir mais confortável. Confesso que os olhares de desconfiança e de repreensão dos que estavam junto a nós naquele lugar, contiveram meus passos e mantive-me estática.
  Então, esperei mais uma música. E advinha qual foi? Pois é, foi a nossa música. Aquela que tocaste para mim quando ainda nem tínhamos nos dado conta de que nos pertencíamos. E num ato extremamente espontâneo nos olhamos. E por te conhecer tão bem, li em teus olhos o que desejavas naquele momento. Saíste da sala. Esperei um tempo, foram os segundos mais longos do dia. Sai logo após.
  Era uma noite em que a lua estava majestosa. Deixamos a sala e todo o conforto do ar refrigerado nela, para nos sentarmos naquele banquinho amarelo. O clima não estava nada ameno, mas ignorei o calor só para te ter ali ao meu lado, apenas jogando conversa fora. Tínhamos um pouco de medo que alguém nos visse a sós, e comentasse algo sobre o climinha de romance que cercava cada sorriso bobo que trocávamos.
  Nos abraçamos tão rápido, mas de um jeito tão intenso, e retornamos para a sala. Sentei no sofá, no polo oposto ao teu, e tu voltaste para o teu cantinho ao lado da porta. Só que agora não te espantavas a cada vez que ela se abria. Na verdade tu e eu estávamos ali apenas fisicamente, pois nossas almas permaneceram lá fora, naquele banquinho amarelo, admirando a lua.
Gente,eu sei que isso não é uma lua,mas eu gostei a imagem.Então,finjam que é uma lua ;)

terça-feira, novembro 15, 2011

116 anos de raça,amor e paixão

Das inúmeras coisas deste mundo, és uma das poucas que me deixam sem palavras. Meu amor por ti é imensurável, inexplicável, inacabável. Mesmo com todo respeito aos outros clubes que também tem sua história, pra mim e para toda uma nação és o maior, és o melhor. Os momentos ruins não importam, porque nunca iremos te abandonar. Pois para aqueles que vestem o vermelho e preto não há nada maior que tu. És nossa paixão, nossa religião. E mesmo que digam coisas e coisas sobre ti, para nós a máxima que prevalece é "Flamengo é Flamengo!". Porque quando tua camisa entra em campo, o mundo se pinta de vermelho e preto, e nós, encantados pela magia que te cerca, nos tornamos súditos de ti. Usamos o manto como segunda pele. Alguns de nós te trazemos na pele, mas todos nós te trazemos no coração. E que venham mais 116 anos pela frente, porque tenho certeza que não haverá anos o suficiente para que possamos demonstrar toda a nossa paixão por ti.


Vamos Flamengo eu tô aqui 
e te sigo a todo lado
E não importa onde jogue eu vou te apoiar
Vamos Flamengo não podemos perder
Vamos Flamengo vamos, vamos ganhar
Essa loucura que eu sinto por ti nunca se acabará!

Subjetivo

E mesmo com todas as porradas que a vida me dá, esse papel de moça frágil, coitadinha e sofredora nunca coube a mim.
Sou do tipo que engole as lágrimas e as transforma em sorrisos.
A dor é algo extremamente opcional, eu gosto mesmo é de...
Caminhar sem destino, e não esperar encontrar a felicidade no final dele, mas sim aproveitar cada passo ao longo desse caminho
Acompanhar o pôr-do-sol mesmo que sozinha em uma praia qualquer
Aproveitar cada gota de chuva que cai sobre mim
De sentir o vento bater em meus cabelos enquanto os raios de sol incidem sobre mim
De dizer eu te amo quando sinto vontade
De distribuir abraços sem motivo aparente, mesmo que gere uma cena boba
Dar um sorriso sem esperar outro em troca
Aparentar normalidade durante 6 dias da semana, e no domingo, trajando duas cores envolta por uma bandeira, ir do céu ao inferno em apenas 90 minutos
Tomar sorvete para afogar as ditas magoas
Resolver a destruição interior mascarando-a com base corretiva, um belo par de brincos e um vestido atrevidamente exótico
Esquecer todos os meus problemas ao ouvir aquela música feminista que me faz rir dos homens enquanto danço loucamente até o chão
De pintar as unhas de vermelho para relembrar dos amores que nunca tive
De usar o desodorante como microfone pra cantar aquela música melancólica em castelhano
Dar mil conselhos e não seguir nenhum sequer
Viver como se não houvesse amanhã
De errar inúmeras vezes por causa do meu jeito impulsivo
De cair e levantar
Quer saber a verdade? Eu gosto mesmo é de viver!




sexta-feira, novembro 11, 2011

Nada mais

  Admiro-te por tua coragem. Coragem a qual me faltou. Só discordo de uma coisa sobre tudo o que me disseste: as coisas não ficaram ruins entre nós. Afinal, elas nunca estiveram boas. Só que ao contrário de ti, eu sempre joguei limpo. Diferente de ti, eu nunca fingi que estava tudo bem. A única coisa que lamento, foi o tempo perdido. O tempo que desperdicei insistindo em algo não verdadeiro.
  Confesso que algumas vezes acreditei em tuas promessas. Até quando disseste que nunca irias me magoar. Mesmo que na tua mente doente tenhas tomado a atitude mais sensata para que as coisas não chegassem a um ponto ainda mais grave, acabaste fazendo muito pior do que aqueles que criticavas. As magoas são maiores ainda, porque no final das contas não era só um possível relacionamento que estava em jogo, e sim algo ainda maior, a nossa amizade. Talvez para ti isso não tenha importância, mas para mim, era o que mais valia entre nós dois.
  Arrependo-me da minha falta de coragem, pois todas as vezes em que pensava em fazer algo no qual havia a possibilidade de te magoar, olhava em teus olhos e quando me sorrias, demonstrando a tua felicidade, perdia todas as minhas forças. Eras minha maior preocupação. E certamente, ter te posto em primeiro lugar foi meu maior erro.
  E por mais que me digas que havia verdade em tuas palavras, nunca acreditarei, já que o sentimento que dizias sentir por mim não foi suficiente para te manter ao meu lado, dando-me suporte quando mais precisei de ti. Tua imaturidade fez com que me deixaste só. E nem um adeus descente foste capaz de me dar.
  Ah, e aquela imagem de menina frágil que ficou sem palavras diante de um fim inesperado, guarde-a bem, pois ela jamais se repetirá. Sabes que esse papel de moça frágil não cabe a mim. Apesar de tudo, te agradeço. Agradeço pelas mentiras que exalavam em teus beijos, pois elas me fortificaram. Tuas mentiras me trouxeram muitos aprendizados. Mas eles não serão usados contigo, pois, não mereces nada de mim, além do meu silêncio. 

quinta-feira, novembro 10, 2011

Seguindo naturalmente

Muitas vezes me peguei arquitetando planos. Planejando como seria isso e aquilo. Pensando durante meses em que atitude tomar para fazer tal coisa. Refletindo como agir de alguma maneira que pudesse trazer a mim algum beneficio. Confesso que das vezes em que planejei o que faria, nunca obtive êxito. E após cada fracasso me perguntei o porquê dele. Enquanto continuava arquitetando minhas atitudes, nunca encontrei a resposta. Até que um dia desisti disso, deixei as coisas seguirem seu percurso, e fiquei esperando os resultados. O que aconteceu? As coisas passaram a dar mais certo. 

domingo, outubro 23, 2011

Dramaturgia real

Insisti. E assim como uma novelazinha qualquer acompanhei a todos os capítulos mesmo sabendo o final dessa história. Quis pagar pra ver. Em alguns momentos o papel de protagonista se misturou com o de autora, e por isso me envolvi. Sem medir e sem pensar em magoas futuras. Talvez, se não tivesse confundido teria saído ilesa. Provavelmente a empolgação inicial me fez tirar o pé do chão e me deixou disposta a reescrever essa história. Só, que a empolgação foi tanta que a história deixou de ser escrita só por mim, o mocinho também quis dar pitacos no roteiro, e eu, perdi o controle das ações. O final foi reescrito, mas eu não estava preparada para ele. Contrariando a maioria dos finais de novelas a mocinha não foi “feliz para sempre”, e por mais que os telespectadores não aceitem ver o sofrimento dela, a única coisa a se fazer é esperar pela próxima novela. Quem sabe essa não tenha um final feliz? 

sexta-feira, outubro 21, 2011

Caminhada

E quantas vezes me preocupei com os outros, os tantos mil que estão na disputa comigo. Talvez, a insegurança e o medo de falhar novamente me fizeram esquecer o tanto que eu mereço mais que eles. Esqueci das noites mal dormidas, e de tudo que abdiquei em prol do meu objetivo maior. Me esqueci das madrugadas em que vi o dia nascer cercada de livros, papéis nos quais estavam o mínimo que precisava para a minha conquista, no entanto por maior a quantidade de papéis que me cercavam, neles não cabem nem metade dos meus sonhos. Olho para trás e me lembro de tudo o que passei nesse ano, o tanto que batalhei para alcançar meu objetivo. Quando me dou conta do que minha possível vitória significa, meu nervosismo aumenta, mas, logo após isso, recordo-me dos outros dias que ficaram para trás e penso que amanhã será só mais um dia desses, amanhã, será só mais um dia da minha caminhada. Minha jornada, teve inicio meses atrás, e ela continua, no final não sei o que sucederá, só que agora não me preocupo mais com aqueles que estão nessa guerra contra mim, nesse momento, me basta saber o que fiz para conquistar o que tanto almejo, e aquilo que vem pela frente, não será nada de mais, será apenas o que fiz por merecer!

sábado, outubro 15, 2011

Imperfeitos e Completos


Ele chegou de repente, me fez mil promessas, nas quais não acreditei. Ele me disse tudo o que sempre quis ouvir, o que me parecia irreal de acontecer. Era tudo tão perfeito para ser verdade, que eu mesma tratava de pôr defeitos, assim o perdi. Passou o tempo algumas coisas mudaram, outras pessoas passaram por nossas vidas, mas quando estávamos a sós, era como se tudo permanecesse igual. Ainda éramos os mesmo um perante o outro. Não podíamos negar, longe um do outro éramos incompletos. Tempos mais tarde, ali estávamos, dispostos a tentar outra vez. Não sabemos como irá suceder. Mas agora, que sabemos que nada é perfeito, como pretendíamos que fosse na primeira vez, talvez dê certo. Talvez as promessas antes feitas por ele a mim, se cumpram, mas não por que foram prometidas, mas talvez por que seja nosso destino. Agora estamos completos.

Segunda chance


Sou adepta do preceito de que todos merecem uma segunda chance, independente da situação. Creio que todos nós estamos passíveis a erros, e que todos temos o direito de consertá-los. Por mais terrível que tenha sido o erro cometido, uma segunda chance dá a oportunidade de refazer essa história. Se na primeira vez não deu certo por tais motivos, quem nos assegura que na segunda vez vai dar? Ninguém. Nunca saberemos como sucederá se não tentarmos. Eu, particularmente, prefiro conceder a quem quer que seja, uma segunda chance e essa pessoa repetir o erro, do que nunca dar essa oportunidade e pensar em como teria sido essa outra tentativa. Talvez seja um erro meu, mas prefiro sempre ver o lado bom da situação. Portanto, as coisas ruins que fizeram dar errado prefiro esquecer, e as coisas boas, eu fortaleço, para que na segunda vez dê certo.

sexta-feira, setembro 30, 2011

Descomplica

Chega um ponto na vida em que a única coisa que sabemos é que não sabemos de nada. Às vezes a culpa nem é nossa, e sim das pessoas que fazem questão de nos confundir. Algumas coisas são tão simples, que as pessoas se atrapalham com essa simplicidade e acabam complicando.
Talvez elas nem se toquem o tamanho do nó que estão dando em suas vidas, nem tão pouco percebem o tanto de tempo que estão perdendo complicando as coisas. Certamente a falta de experiência contribui para que situações fáceis se compliquem. Todavia, nossas confusões particulares não devem interferir na vida de terceiros, até por que estes também possuem seus próprios problemas.
Por fim, a vida é simples, não tem por que confundir, agir por impulso nem sempre dá certo, mas às vezes pensar de mais torna algumas coisas mais complexas do que deveriam ser. Não notamos, mas quantas pessoas já passaram por nossas vidas de forma não tão intensa devido a complexidade desnecessária a qual atribuímos a elas e principalmente ao sentimento que possuíamos por elas?
E lembre-se: Sempre que houver duas respostas, a mais simples é a mais certa a ser seguida.

sexta-feira, setembro 09, 2011

Um só

Quando estão juntos nada mais importa. Ali, de mãos dadas, pernas entrelaçadas, é impossível dizer que não são um só. Deitados, sentindo a respiração um do outro. Os ruídos do mundo, não os incomodam. Enquanto a música toca, a vida passa, mas não pra eles. Eles não querem mais nada, além de estar ali, juntos. Sem ligar para o mundo que os cerca. Dois se transformam em um, sem ao menos perceber. Já se acostumaram. O tempo passa tão rápido e quando reparam, a despedida chega, mas não há problemas, pois no dia seguinte estarão ali novamente, e por alguns minutos, o tempo vai parar novamente, e o mundo lá fora pouco os vais importar...

quinta-feira, setembro 01, 2011

A nossa música


Aquela música me lembrou você. Nada pude, nem quis fazer, já que enquanto a mente dizia para apertar o botão e mudar para a próxima, o coração pedia para repeti-la. O que não foi incomum, pois quantas vezes não repeti essa faixa só para recordar-me de ti. Noites e noites adormeci ouvindo-a, e tantas outras noites não dormi ao ouvi-la. E sempre será assim, por mais que o tempo passe e ouça milhares de outras canções. Cada verso, cada cifra da nossa música estão eternizadas. E toda vez que ela tocar, os 4 minutos e 23 segundos serão pouco, para cada lembrança que essas melodias guardam.

quinta-feira, agosto 25, 2011

A fila TEM que andar



Sair de um relacionamento não é fácil, esquecer o que viveu com uma pessoa especial é uma tarefa árdua. Todavia, chega um momento em que esse passado, por melhor que seja, tem que ser deixado para trás. Não digo que deves deletar isso do teu passado, mas apenas deixar adormecido. É a hora de abrir o coração para novos caminhos.
Por mais que queiras se livrar logo delas, as recordações levarão um tempo para se apagar, entretanto, por mais que haja ressentimento em relação ao romance anterior, tudo o que ocorreu deve ser levado conosco. As coisas boas devem ser guardadas, e as ruins...também, pois a partir dessas equações que deram errado, utilizando novas fórmulas, o resultado dará certo.
Muitas vezes, insistimos em relações que provavelmente nunca darão em nada. Mas quem disse que a gente consegue perceber a furada em que estamos nos metendo? Por mais que trocentas pessoas nos digam: "Ele (a) não quer nada com você", continuamos insistindo, achando que um dia a tal pessoa irá despertar e virá correndo atrás de nós. Tá, sei que não é assim que funciona, por que não é tão fácil esquecer. Pois quando realmente gostamos de alguém, é dificil, é impossível perceber que não vai dar certo, mesmo quando por inúmeras vezes derramamos lágrimas pela tal pessoa "amada", não conseguimos perceber o quanto estamos sofrendo ao insistir.
Após o termino de um relacionamento ou rolo que seja, até aceitarmos que não tem mais volta leva um tempo, tempo no qual continuamos insistindo. Apesar de agora, ficar um pouco mais nítido de que não vai dar certo, mas quem consegue convencer o coração que chegou a hora de desistir?
Deixar no passado os momentos vividos com alguém que um dia te trouxe felicidade é difícil, contudo, depois de um tempo (que parece uma eternidade) alguém tão, ou mais especial, bate em tua porta, e agora sim é a hora de arquivar definitivamente o passado, pois se não tiveres te desapegado 100% do que passou, o presente sofrerá as consequências. E uma oportunidade de ser feliz, pode ser desperdiçada. É preciso saber pôr um ponto final no passado, e perceber que ele não volta mais. E a partir de então, abrir o coração para um novo amor.
Não se esqueça que sempre tem alguém esperando a fila andar




sábado, agosto 20, 2011

De repente,acaba

Sabe quando você passa a vida toda planejando o futuro, e certo dia se toca que ele pode nem chegar? Se você parar pra pensar, hoje é seu último dia de vida. Mas calma, não estou te incentivando a viver loucamente, sair correndo pelado por ai, largar tudo, virar hippie e ir vender pulseirinhas na Praça da República. Só estou te alertando para não deixar pra amanhã o que podes fazer hoje.
Pela terceira vez a morte atingiu pessoas próximas a mim. Todavia a última mexeu comigo como as outras duas não mexeram. Talvez por se tratar de uma pessoa que era apenas um ano mais velha que eu. Às vezes temos a ilusão de que só os velhinhos morrem, e que nós, jovens, estamos imunes. E justamente por isso não ligamos pro que fazemos hoje. Ficamos horas e horas planejando como será o futuro. Eu mesma já fiz isso, pensei como estaria daqui a um tempo: Se serei forever alone. Se estarei casada e feliz, ou casada e infeliz. Ainda morando em Belém. Se terei sucesso no jornalismo, ou se desisti e virei agrônoma. Se consegui assistir a um FlaxFlu no Maracanã. Se não vou ter mais cintura. Entre outras coisas.
Planejar o futuro não é crime, desde que não te prendas tanto nisso, a ponto de não viver o presente. Desde pequena ouço a música Pais e filhos, mas ela nunca fez tanto sentido pra mim quanto nos últimos dias. Principalmente o trecho: “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã. Por que se você parar, pra pensar, na verdade não há.” (Dá RT se você leu cantando). E por isso, nos últimos dias estou fazendo de tudo para demonstrar as pessoas que amo, o quanto elas são importantes para mim. Pois tenho medo de que elas nunca saibam disso. Afinal, o amanhã é incerto.
Assim como ainda posso ter mais 60 anos de vida, esse tempo pode ser reduzido para 5 anos, ou até mesmo 2 meses. Não me interprete como negativista, louca varrida, gótica. Talvez isso seja loucura, mas no momento é minha filosofia de vida. E pelo menos nos últimos dois dias, está dando certo. Havia muitas coisas que estava enrolando pra fazer e que agora tomei coragem (mamãe ficou orgulhosa porque limpei a mesinha do computador ). Os meus planos são continuar a eliminar da minha lista, o que estou acumulando há anos. Espero cumprir.
No momento a única coisa que eu realmente desejo é estar perto daqueles que amo. O dia de amanhã? É uma espécie de bônus. Se ele chegar, o viverei tão intensamente quanto estou vivendo o hoje. Não interprete esse intensamente como “viviendo la vida loca” \o/. Só que estou dando mais valor a cada momento. A cada nascer do sol, a cada abraço, a cada conversa, a cada sorriso. Por que não sei quando serão os últimos.

sexta-feira, agosto 19, 2011

Ela se foi...

O susto. Prantos. Adormeço. Acordo. Não foi um pesadelo.
Em meio a conversas,recebi uma notícia.Na hora,pensei que tudo não passava de um mal entendido,a verdade é que eu não queria acreditar.Mas não foi um mal entendido,ela se foi.É difícil assimilar que uma pessoa que você conhece desde os 5 anos de idade,já não está mais aqui.Uma pessoa que faz fez parte da sua vida,e que agora...se foi.Não éramos BFF’s.E sei que há tempos não nos falamos.Todavia isso não a tornava menos importante em minha vida. Nunca a esqueci.
Olho as fotos,leio as cartas,e custo a acreditar...ela se foi.
Na alfabetização,ela sentava na carteira atrás de mim.Desconfio que era só pra mexer no meu cabelo,as “molinhas”,como ela o chamava.Confesso que odiava isso,mas deixava ela se divertir um pouco.O ano letivo chegou ao fim,e após a formatura, perdemos contato.
Dois anos depois,nos reencontramos.Primeiro dia de aula da quarta série,e ali estávamos,o destino nos juntou.As nossas amizades eram diferentes,e por isso não éramos mais tão próximas.Agora, ela não curtia mais puxar as molinhas.
As coisas mudaram,e quatro anos mais tarde nos reaproximamos,e juntamente a 3 amigas que adquirimos,formamos um grupo (GQ).Inseparáveis, fazíamos todos os trabalhos juntas.Os últimos anos do ensino fundamental foram inesquecíveis.E ela fez parte deles.
Como esquecer, das reuniões na casa dela?Aquelas em que íamos pra fazer os trabalhos,e as que íamos só pra assistir Madagascar (passamos a noite cantando “Eu me remexo muito”). Mesmo com todas as reuniões, nunca consegui roubar o pote de biscoitos.Ótimas lembranças!
Sei que jamais esquecerei esses momentos,nem poderia. Eles fazem parte da minha história. Também sei,que onde ela estiver os guardará consigo.
Sim,ela se foi,mas se foi desta vida,porque das minhas lembranças,ela jamais irá partir.
                                             Elziane Caetano de Mendonça,
                                                    simplesmente Any.

quinta-feira, agosto 11, 2011

Fale,faça,aja!

A calmaria toma conta da sua vida? Isso te satisfaz? Bem, certamente você deve achar que está tudo perfeito. Mas tenho uma novidade, não está. Se vives em calmaria o que te sobre de paz, te falta em coragem. Falo-te por experiência própria. É muito fácil viver num mundinho cor-de-rosa achando que tudo são flores. Mas isso não é viver. Viver é se machucar o quanto for preciso para se fortalecer. É apanhar e apanhar, até aprender. E se até hoje você ainda não sofreu, é porque não está vivendo.
Diga-me quantas vezes você deixou de falar o que sentia só para não causar transtornos em sua vida? E quantas vezes hesitou em tomar alguma atitude por temer o que os outros iriam falar?
Com o passar dos anos aprendi que é muito melhor falar “Que merda eu fiz!” do que... “E se eu tivesse feito aquilo?”.  É muito cômodo esperar a vida se encarregar do seu destino, mas confesso que essa história de “O que tiver de ser será” não é para mim. Ansiosa e curiosa como sou, não consigo esperar o tempo passar. Das muitas vezes em que agi por impulso, quebrei a cara. Entretanto, não me arrependo, prefiro resolver as coisas no meu tempo, ao esperar ele passar e nunca saber o que poderia ter acontecido.
Se hoje te encontras em uma situação em que estais em dúvida sobre o que fazer, ou o que falar. Reflita só um pouco: será que guardar isso está te fazendo bem? Deixar de fazer o que queres é o melhor pra ti? E após responder essas perguntas aja, aja sem medo de ser feliz. De qualquer jeito tudo ficará bem, seja por que deu certo, ou por que deu errado, todavia, mesmo dando errado irás tirar um peso das costas, e não há sensação melhor do esta.
E se ainda assim, não criaste coragem...
“É melhor falar de mais do que nunca dizer o que você precisa dizer de novo. Mesmo que suas mãos estejam tremendo, e sua fé esteja perdida. Mesmo se os olhos estiverem se fechando, faça isso com o coração aberto. Diga o que você precisa dizer!”
                                                                                              Say-John Mayer *-*

quarta-feira, agosto 03, 2011

O meu pôr-do-sol

Poderia ter sido só mais uma tarde, para muitos foi, mas para mim, foi um momento mágico regado a reflexões. Talvez nem saiba explicar, já que minha presença foi insignificante diante de tal fenômeno da natureza. Só queria que isso se repetisse, apenas isso. Estar ali sozinha (espiritualmente) comigo. Enquanto os outros ao meu redor brincavam, conversavam, enchiam a cara, namoravam, eu só queria estar ali e não pensar em mais nada. Concentrar-me na minha música, e como se tudo tivesse sido arquitetado, ela se encaixou perfeitamente naquele momento. Foi como se os meus chamados problemas desaparecessem naquele instante. Tudo aquilo que me tirou a paz durante a semana se tornou pequeno diante daquele momento. Este fim de tarde poderia ter sido compartilhado com várias pessoas: com amigos, familiares, ou com um grande amor, mas certamente não teria sido tão especial quanto estar ali fazendo companhia a mim mesma. E agora que todos os meus chamados problemas retornaram, a única coisa que eu queria, era que isso se repetisse, apenas isso.
Se o Alan não tivesse ido buscar a bola, a foto teria ficado melhor

sexta-feira, julho 29, 2011

Desistir é fácil,o difícil é prosseguir



Quantas vezes você já se encontrou numa situação em que era mais viável desistir do que estava fazendo ao invés de continuar? Inúmeras, suponho. Há momentos na vida em que nos questionamos se vale mesmo a pena estar aqui, só apanhando da vida todos os dias. Momentos difíceis certamente, porém, se ela fosse justa seu nome seria calça skinny,e não vida.
Tem dias em que nada parece dar certo. Todos estão contra você, e até mesmo aquilo que um dia te trouxe felicidade te faz mal. Tudo parece não fazer mais sentido algum. Não temos forças para encarar o mundo lá fora. Mesmo que sempre haja alguém ao nosso lado nos apoiando. Nada ameniza nossas dores.
Bem, certamente momentos ruins nos tiram o prazer de viver. Mas será que a vida realmente é madrasta o tempo todo? Será que nunca vivemos, nem viveremos bons momentos? Será que não é drama demais desistir da busca pela felicidade?
Momentos ruins durante a nossa jornada podem até chegar a serem constantes, todavia, eu não hesitaria em trocar 10 momentos ruins por apenas 1 bom. Não me importaria de apanhar da vida quantas vezes fosse necessário para depois esquecer tudo o que me aconteceu ao dar boas risadas em um fim de tarde numa roda de amigos. Não teria medo de passar por várias desilusões amorosas se depois disso vivesse um único grande amor.
Quando estamos numa fase ruim, é difícil pensar que ela vai passar. Mas acredite, um dia passa. Pode demorar algum tempo, e sei que esses dias de espera são agoniastes. Mas se libertar de tudo o que te magoa e te faz refém da infelicidade, não tem preço, pois um dia a felicidade baterá em tua porta, te fazendo ver que tudo de ruim que viveste serviu para te dar mais forças para continuar aqui, apanhado da vida. E quem se importa de levar uma tapa na cara se depois, na parada seguinte, conquistar um sorriso?
A vida não é fácil, todos sabemos. Não vivemos só de conquistas, muito menos, só de derrotas. Afinal, que graça teria se tudo fossem flores? O grande lance desse jogo é saber juntar o que aconteceu de ruim para nos fortalecer, pois agora mais fortes não será qualquer coisa que nos abaterá. Agora, poucas serão as coisas que irão nos tirar o prazer de viver. Desistir sempre é o caminho mais fácil, mas quem disse que o caminho mais fácil é o mais certo a ser seguido?

quarta-feira, julho 20, 2011

Companheiro,fiel,protetor,simplesmente...Amigo!

Amigo: 1-Que é ligado a outrem por laços de amizade 2-V. amigável 3-Homem amigo (1) 4-Companheiro; protetor.
Amizade: Sentimento fiel de afeição estima ou ternura entre pessoas que em geral não são parentes nem amantes; apreço.
Só coloquei isso para introduzir o texto, afinal quem precisa do Aurélio para definir esse sentimento tão forte? Amigo e Amizade são palavras que não precisamos saber o significado, muito menos se elas vêm do latim ou do grego, apenas precisamos sentir.

Muita gente acha que o sentimento mais forte que existe é o amor, eu discordo! Para mim o sentimento mais forte e mais verdadeiro é a amizade. Mas quem disse que as amizades não podem ter bônus? Ah podem parar, bando de falsos moralistas. Quem nunca ficou com um amigo? Ficar com amigo é tipo fazer um test-drive num carro que você nunca vai comprar. Mas às vezes por um toque do destino começa com um test...e quando você vê adquiriu o carro. Acontece né?!
Bem, existem vários tipos de amizade, tem amigos que você conhece desde quando eram guris, aqueles que você fazia festa do pijama na casa dele só para comer besteiras e dormir depois das 22h. Aquele que seu pai já simpatiza, e sabe que não vai te levar para o mau caminho (doce ilusão). Tem aquele amigo que te acoberta só para você ir pro Timbalada - que coisa feia! Mas é amigo, fazer o que?- Falando em festas...tem aquele amigo que já te ajudou a curar uma ressaca para os seus pais não descobrirem. Tem aquele que sempre topa as tuas loucuras mesmo que elas não façam o mínimo sentido. Sempre tem um amigo que quando você conta suas desilusões amorosas ele te diz: Quer ajuda pra matar esse bandido? Há amigos que te perturbam tamanha 2h no MSN para pedir conselhos. Amigo é aquele que não julga suas decisões (mesmo quando você diz que vai fazer Jornalismo). Amigo é aquele que divide o pacote de Clube social durante aquela estimada aula de Termodinâmica. Tem aquela amiga que sempre está ali pra te oferecer um porre de sorvete depois que levas um pé na bunda.
Mesmo que o passo seja incerto, o amigo segura em tua mão e caminha contigo.
Quando crescemos e passamos a ver o mundo com outros olhos, isso interfere muito em nossas amizades. Essa fase de amadurecimento requer compreensão dos que te cercam. Nela moldamos nosso caráter e é difícil fechar os olhos para o que antes eram bobagens. As amizades que até então eram intocáveis vão ficando pelo caminho, mesmo que isso te doa. Mas fazer o que? É a vida! Uma coisa que aprendi é nunca julgar as pessoas sem as conhecer, pessoas que aparentemente se dariam muito bem comigo não eram nada do que eu pensava. Já aquelas que eu não queria nem chegar perto se tornaram amizades eternas.
Amizade é uma palavra muito forte, pelo menos para mim, me dá uma agonia quando vejo as pessoas banalizando esta palavra. Quantas vezes já te ocorreram de uma pessoa que você mal conhecia te chamar de amigo? Pura falsidade! Certamente esta pessoa não tem amigos de verdade para mensurar o que esta proferindo. Eu por exemplo, não trato minhas amigas por AMIGA, ao fazer isso não sinto que elas se tornem menos queridas por minha parte. Afinal o que sinto por elas não é medido por palavras.
Por fim amigo que é amigo, é aquele te ama mesmo ciente de todos os teus defeitos, é aquele que faz de tudo para você não sofrer, ele te mostra o caminho certo, mas também te ajuda quando segues o caminho errado. Amigo é aquele que sempre tem o que te dizer, mas quando se encontra sem palavras se mantém ali, apenas respirando, para que você esteja ciente que independente dele ter ou não palavras para te dizer, sempre estará ao seu lado. Amizade é uma coisa imprevisível, tenho amizades que surgiram após 5 anos, 1 ano e até 6 meses. Algumas consolidadas, outras nem tanto, mas que certamente são verdadeiras.
Amigos são a família cujos integrantes nós escolhemos (salvo a #FamíliaComunicação).
Datas comemorativas geralmente necessitam de presente, mas hoje, dia 20 de julho, Dia do amigo, não exige presente algum, afinal o seu maior presente é poder contar com suas amizades não só hoje, mas também nos outros 364 dias do ano.

terça-feira, julho 19, 2011

Todo dia é dia de futebol

É difícil explicar uma paixão inconsciente, que geralmente nasce sem se perceber. Um amor incondicional, que mexe com você de um jeito estranho, inexplicável. Você, pessoa normal que não foi acometido por esse mal, não sabe o quão agoniante são os dias que vão do final do Campeonato Brasileiro até o inicio dos Campeonatos Regionais. É como se o ano só começasse em fevereiro.  Assim é a paixão de um fanático por aquilo que deixou de ser a muito tempo apenas um esporte: o Futebol.
O fanatismo pelo futebol é algo que somente os apaixonados sabem. Para as pessoas normais é inconcebível entender por que às vezes cometemos loucuras por nossos times do coração. Talvez nós mesmos não saibamos explicar....Quantas vezes deixamos de sair de casa aos domingos? Ou quem de nós nunca “gazetou” aula na quarta-feira só para assistir aquele jogaço da Liga dos Campeões? Quantos relacionamentos já foram por água abaixo, ou porque o parceiro não entendia esse fanatismo, ou porque vocês só faltavam se matar em dia de clássico. Ou quantos outros nem começaram por que você descobriu que o cara era Bicolor e São Paulino?
Enfrentar o machismo que ainda cerca o mundo da bola não é fácil, ainda mais quando se pretende trabalhar com isso. Se um homem não gosta de futebol, ele é gay, e se uma mulher além de gostar, entende de futebol é o fim do mundo. Imagine essa situação: Filha, vamos ao shopping? – Valeu pai, não quero não, hoje tem RexPa. E o seu pai te olha e diz: Ai meu Deus, isso não é normal minha filha!
Agora um caso particular: Você que me critica por torcer por times do Sudeste do país...shut up! Só um fanático como eu, sabe como é passar UMA semana sem ter jogo na quarta e no domingo. Agora imagina o que seria de mim se torcesse apenas por um time regional? Só assistiria a 20 jogos durante um ano! Sabe o que é isso? É desesperador =O Pensa numa pessoa que quase voa no professor de filosofia por que criticou as pessoas que torcem para times de fora do estado? Bem se você me conhece nunca faça isso. Ou terá morte no recinto!
Ser fanático é torcer não só durante os 90 minutos, é respirar futebol 365 dias por ano. É ficar em êxtase após a conquista de uma simples série C. É não dormir direito em dia de jogo decisivo. É ficar deprê após uma eliminação na Libertadores por um time desconhecido dos confins da Colômbia. É rezar para todos os santos possíveis durante uma disputa de pênaltis. É querer matar o infeliz que fala mal do seu time (mesmo quando você sabe que ele está ruim). É acordar cedo no dia seguinte após a conquista de um título, vestir o manto sagrado, chegar fodasticamente na farmácia e comprar um Diário do Pará só pelo pôster de campeão (sensação deliciosa, ainda mais quando o caixa da farmácia é Botafoguense).  
Após uma derrota a gente sempre fala: E quem disse que eu gosto de futebol? Apesar do ódio momentâneo que vem após uma decepção, os verdadeiros torcedores JAMAIS abandonam seu clube, mesmo quando ele não tem divisão e está há anos sem conquistar um título sequer ( saudações azulinas \o/ ). Fidelidade é o lema dos torcedores verdadeiros. Afinal futebol é isso, nem sempre se vence (salvo aquele São Paulo que conquistou tudo com o Muricy). Ser torcedor é sofrer, chorar, sorrir...mas nunca desisti. Afinal...O sentimento não para!
                    Feliz Dia Nacional do Futebol!

terça-feira, julho 12, 2011

É possível viver só sorrindo

Sabe quando você passa a vida toda em busca de um grande amor para ser feliz, e ele finalmente chega, mas as coisas não saem como você esperava? E agora, com seu conto de fadas destruído, você se pergunta: De que me serviu toda essa experiência? A resposta é: Perceber que você não precisa de mais ninguém para ser feliz além de si mesmo!
A cada dia passamos por várias experiências que de um jeito ou de outro nos trazem uma gota de felicidade, mas, às vezes a pressão para desencalhar é tão grande que você não se permite ser feliz sozinho. Por que as pessoas pensam que ser solteiro é sinônimo de estar sozinho? Quantas vezes mesmo com um monte de pessoas ao seu redor você ainda assim se sentiu só?
Há muitas coisas que acontecem ao nosso redor e que na maioria das vezes nos passam despercebidas. Sabe quando você tá numa para de ônibus em plena Almirante Barroso naquela tradicional chuva da tarde de Belém, e um carro passa em alta velocidade e te molha toda? Tá é meio trágico, mas, e se logo depois disso você passa por uma pessoa que é moradora de rua que pega continuamente aquela chuva, todas as tardes, quase todos os dias. Será que foi tão ruim ficar molhado momentaneamente?
Sabe aquela velha frase do tempo em que sua tataravó ainda era virgem: A felicidade está nas coisas simples da vida! É meio clichê, mas não deixa de ser verdade. Sabe quando você está num bad day, sai de casa e passa pelas ruas da cidade e vê cada coisa. De repente você repara que seus chamados problemas, são bobagens perto dos problemas dos outros. É, eu sei, é um choque de realidade, mas o mundo não gira em torno do seu umbigo.
Tente prestar atenção nas coisas mais simples que acontecem com você todos os dias. Não é difícil e não dói. Muitas vezes você não está esperando por nada, todavia acontece algo muito simples e que mesmo assim te dá motivos para sorrir. Imagine esta situação: Você é praticamente obrigado a ir para o supermercado, e ali está sentada aguardando a família fazer as compras, chega um guri muito contente admirando uma revista ainda na embalagem. Ele caminha e se senta ao meu lado. Por inúmeras vezes ele tenta abrir a embalagem, mas não consegue. Eu então lhe pergunto se posso tentar, e ele me concede. Consigo abrir a embalagem em poucos segundos, ele me olha e me dá um sorriso, um sorriso tão sincero que compensaria milhões de “Muito Obrigado!” E ele me diz: Estou guardando dinheiro há tanto tempo para comprar esta revista! E ele começou a devorá-la com olhos. Você deve estar se perguntando...sim e o que tem isso? Pense comigo: Será que nós, não poderíamos ter uma experiência dessas todos os dias? Receber um sorriso sincero, mesmo que de um desconhecido. Ou ficar felizes por conseguir algo tão pequeno como, por exemplo, comprar uma revista?
Não entendo por que quando crescemos temos mania de complicar tanto as coisas. Como por exemplo, tentar loucamente conseguir encontrar alguém que goste de nós. Não quer dizer que esse grande amor nunca chegará, certamente um dia chega. Entretanto, não seria muito mais fácil buscar a felicidade em outras coisas enquanto ele não vem? A cada dia você pode escolher: ser feliz ou não! Toda vez em que fechar os olhos para dormir deixe tudo o que aconteceu de ruim no seu dia para trás e certamente ao acordar no dia seguinte as coisas fluirão melhor. Viva sempre com o coração aberto para novas experiências, por mais simples que elas sejam, pois a simplicidade te dará uma felicidade grandiosa.
E por fim aquela velha expressão que você se cansou de ler quando estudava literatura:    
                                                          CARPE DIEM!