terça-feira, novembro 29, 2011

Sem hora marcada

Não importa o quanto planejes, o amor chega apenas e tão somente na hora certa. Não importa se tentas com uma pessoa diferente a cada semana, ele não vai surgir se planejares. Enquanto estiveres mascarando as tuas verdades para que ninguém veja teus pontos fracos, o máximo que conseguirás serão romances fracassados. Quando se ama de verdade, não se ama porque a tal pessoa tem olhos lindos, gosta de boa música, se veste bem, tem boa educação e afins. Amamos as pessoas por suas qualidades sim, mas acima de tudo, as amamos pelos seus defeitos.


domingo, novembro 20, 2011

No banquinho amarelo

  Alguns conversavam, outros cantavam, e uns poucos se beijavam. Tu estavas ali, no cantinho da sala, próximo à porta, apenas observando o que rolava no ambiente. E a cada vez que a porta se abria olhavas para ela com os olhos pintados de esperança, como se esperasse por alguém que te resgatasse daquele ambiente.
  E eu, no intervalo de cada música que tocava, te olhava pelo canto dos olhos querendo atravessar a sala e te puxar dali. Te levar para um outro local no qual tu pudesse te sentir mais confortável. Confesso que os olhares de desconfiança e de repreensão dos que estavam junto a nós naquele lugar, contiveram meus passos e mantive-me estática.
  Então, esperei mais uma música. E advinha qual foi? Pois é, foi a nossa música. Aquela que tocaste para mim quando ainda nem tínhamos nos dado conta de que nos pertencíamos. E num ato extremamente espontâneo nos olhamos. E por te conhecer tão bem, li em teus olhos o que desejavas naquele momento. Saíste da sala. Esperei um tempo, foram os segundos mais longos do dia. Sai logo após.
  Era uma noite em que a lua estava majestosa. Deixamos a sala e todo o conforto do ar refrigerado nela, para nos sentarmos naquele banquinho amarelo. O clima não estava nada ameno, mas ignorei o calor só para te ter ali ao meu lado, apenas jogando conversa fora. Tínhamos um pouco de medo que alguém nos visse a sós, e comentasse algo sobre o climinha de romance que cercava cada sorriso bobo que trocávamos.
  Nos abraçamos tão rápido, mas de um jeito tão intenso, e retornamos para a sala. Sentei no sofá, no polo oposto ao teu, e tu voltaste para o teu cantinho ao lado da porta. Só que agora não te espantavas a cada vez que ela se abria. Na verdade tu e eu estávamos ali apenas fisicamente, pois nossas almas permaneceram lá fora, naquele banquinho amarelo, admirando a lua.
Gente,eu sei que isso não é uma lua,mas eu gostei a imagem.Então,finjam que é uma lua ;)

terça-feira, novembro 15, 2011

116 anos de raça,amor e paixão

Das inúmeras coisas deste mundo, és uma das poucas que me deixam sem palavras. Meu amor por ti é imensurável, inexplicável, inacabável. Mesmo com todo respeito aos outros clubes que também tem sua história, pra mim e para toda uma nação és o maior, és o melhor. Os momentos ruins não importam, porque nunca iremos te abandonar. Pois para aqueles que vestem o vermelho e preto não há nada maior que tu. És nossa paixão, nossa religião. E mesmo que digam coisas e coisas sobre ti, para nós a máxima que prevalece é "Flamengo é Flamengo!". Porque quando tua camisa entra em campo, o mundo se pinta de vermelho e preto, e nós, encantados pela magia que te cerca, nos tornamos súditos de ti. Usamos o manto como segunda pele. Alguns de nós te trazemos na pele, mas todos nós te trazemos no coração. E que venham mais 116 anos pela frente, porque tenho certeza que não haverá anos o suficiente para que possamos demonstrar toda a nossa paixão por ti.


Vamos Flamengo eu tô aqui 
e te sigo a todo lado
E não importa onde jogue eu vou te apoiar
Vamos Flamengo não podemos perder
Vamos Flamengo vamos, vamos ganhar
Essa loucura que eu sinto por ti nunca se acabará!

Subjetivo

E mesmo com todas as porradas que a vida me dá, esse papel de moça frágil, coitadinha e sofredora nunca coube a mim.
Sou do tipo que engole as lágrimas e as transforma em sorrisos.
A dor é algo extremamente opcional, eu gosto mesmo é de...
Caminhar sem destino, e não esperar encontrar a felicidade no final dele, mas sim aproveitar cada passo ao longo desse caminho
Acompanhar o pôr-do-sol mesmo que sozinha em uma praia qualquer
Aproveitar cada gota de chuva que cai sobre mim
De sentir o vento bater em meus cabelos enquanto os raios de sol incidem sobre mim
De dizer eu te amo quando sinto vontade
De distribuir abraços sem motivo aparente, mesmo que gere uma cena boba
Dar um sorriso sem esperar outro em troca
Aparentar normalidade durante 6 dias da semana, e no domingo, trajando duas cores envolta por uma bandeira, ir do céu ao inferno em apenas 90 minutos
Tomar sorvete para afogar as ditas magoas
Resolver a destruição interior mascarando-a com base corretiva, um belo par de brincos e um vestido atrevidamente exótico
Esquecer todos os meus problemas ao ouvir aquela música feminista que me faz rir dos homens enquanto danço loucamente até o chão
De pintar as unhas de vermelho para relembrar dos amores que nunca tive
De usar o desodorante como microfone pra cantar aquela música melancólica em castelhano
Dar mil conselhos e não seguir nenhum sequer
Viver como se não houvesse amanhã
De errar inúmeras vezes por causa do meu jeito impulsivo
De cair e levantar
Quer saber a verdade? Eu gosto mesmo é de viver!




sexta-feira, novembro 11, 2011

Nada mais

  Admiro-te por tua coragem. Coragem a qual me faltou. Só discordo de uma coisa sobre tudo o que me disseste: as coisas não ficaram ruins entre nós. Afinal, elas nunca estiveram boas. Só que ao contrário de ti, eu sempre joguei limpo. Diferente de ti, eu nunca fingi que estava tudo bem. A única coisa que lamento, foi o tempo perdido. O tempo que desperdicei insistindo em algo não verdadeiro.
  Confesso que algumas vezes acreditei em tuas promessas. Até quando disseste que nunca irias me magoar. Mesmo que na tua mente doente tenhas tomado a atitude mais sensata para que as coisas não chegassem a um ponto ainda mais grave, acabaste fazendo muito pior do que aqueles que criticavas. As magoas são maiores ainda, porque no final das contas não era só um possível relacionamento que estava em jogo, e sim algo ainda maior, a nossa amizade. Talvez para ti isso não tenha importância, mas para mim, era o que mais valia entre nós dois.
  Arrependo-me da minha falta de coragem, pois todas as vezes em que pensava em fazer algo no qual havia a possibilidade de te magoar, olhava em teus olhos e quando me sorrias, demonstrando a tua felicidade, perdia todas as minhas forças. Eras minha maior preocupação. E certamente, ter te posto em primeiro lugar foi meu maior erro.
  E por mais que me digas que havia verdade em tuas palavras, nunca acreditarei, já que o sentimento que dizias sentir por mim não foi suficiente para te manter ao meu lado, dando-me suporte quando mais precisei de ti. Tua imaturidade fez com que me deixaste só. E nem um adeus descente foste capaz de me dar.
  Ah, e aquela imagem de menina frágil que ficou sem palavras diante de um fim inesperado, guarde-a bem, pois ela jamais se repetirá. Sabes que esse papel de moça frágil não cabe a mim. Apesar de tudo, te agradeço. Agradeço pelas mentiras que exalavam em teus beijos, pois elas me fortificaram. Tuas mentiras me trouxeram muitos aprendizados. Mas eles não serão usados contigo, pois, não mereces nada de mim, além do meu silêncio. 

quinta-feira, novembro 10, 2011

Seguindo naturalmente

Muitas vezes me peguei arquitetando planos. Planejando como seria isso e aquilo. Pensando durante meses em que atitude tomar para fazer tal coisa. Refletindo como agir de alguma maneira que pudesse trazer a mim algum beneficio. Confesso que das vezes em que planejei o que faria, nunca obtive êxito. E após cada fracasso me perguntei o porquê dele. Enquanto continuava arquitetando minhas atitudes, nunca encontrei a resposta. Até que um dia desisti disso, deixei as coisas seguirem seu percurso, e fiquei esperando os resultados. O que aconteceu? As coisas passaram a dar mais certo.