sábado, agosto 20, 2011

De repente,acaba

Sabe quando você passa a vida toda planejando o futuro, e certo dia se toca que ele pode nem chegar? Se você parar pra pensar, hoje é seu último dia de vida. Mas calma, não estou te incentivando a viver loucamente, sair correndo pelado por ai, largar tudo, virar hippie e ir vender pulseirinhas na Praça da República. Só estou te alertando para não deixar pra amanhã o que podes fazer hoje.
Pela terceira vez a morte atingiu pessoas próximas a mim. Todavia a última mexeu comigo como as outras duas não mexeram. Talvez por se tratar de uma pessoa que era apenas um ano mais velha que eu. Às vezes temos a ilusão de que só os velhinhos morrem, e que nós, jovens, estamos imunes. E justamente por isso não ligamos pro que fazemos hoje. Ficamos horas e horas planejando como será o futuro. Eu mesma já fiz isso, pensei como estaria daqui a um tempo: Se serei forever alone. Se estarei casada e feliz, ou casada e infeliz. Ainda morando em Belém. Se terei sucesso no jornalismo, ou se desisti e virei agrônoma. Se consegui assistir a um FlaxFlu no Maracanã. Se não vou ter mais cintura. Entre outras coisas.
Planejar o futuro não é crime, desde que não te prendas tanto nisso, a ponto de não viver o presente. Desde pequena ouço a música Pais e filhos, mas ela nunca fez tanto sentido pra mim quanto nos últimos dias. Principalmente o trecho: “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã. Por que se você parar, pra pensar, na verdade não há.” (Dá RT se você leu cantando). E por isso, nos últimos dias estou fazendo de tudo para demonstrar as pessoas que amo, o quanto elas são importantes para mim. Pois tenho medo de que elas nunca saibam disso. Afinal, o amanhã é incerto.
Assim como ainda posso ter mais 60 anos de vida, esse tempo pode ser reduzido para 5 anos, ou até mesmo 2 meses. Não me interprete como negativista, louca varrida, gótica. Talvez isso seja loucura, mas no momento é minha filosofia de vida. E pelo menos nos últimos dois dias, está dando certo. Havia muitas coisas que estava enrolando pra fazer e que agora tomei coragem (mamãe ficou orgulhosa porque limpei a mesinha do computador ). Os meus planos são continuar a eliminar da minha lista, o que estou acumulando há anos. Espero cumprir.
No momento a única coisa que eu realmente desejo é estar perto daqueles que amo. O dia de amanhã? É uma espécie de bônus. Se ele chegar, o viverei tão intensamente quanto estou vivendo o hoje. Não interprete esse intensamente como “viviendo la vida loca” \o/. Só que estou dando mais valor a cada momento. A cada nascer do sol, a cada abraço, a cada conversa, a cada sorriso. Por que não sei quando serão os últimos.

4 comentários:

  1. Sempre me identifico com teus textos.
    A morte sempre assusta, a ideia de não ter mais um amanhã também, mas acho que mais importante do que estar com as pessoas que amamos é agradecer, a Deus, ao destino, ao acaso, a qualquer entidade/força superior na qual se acredita, por termos a oportunidade de desfrutar desses momentos felizes.

    ResponderExcluir
  2. É amigaa, acho que o que aconteceu nos serviu de "lição", um jeito nada legal, mas serviu...tbm tô cumprindo uma listinha, até comentei ctg sobre uma coisa que tava sem coragem pra fazer, pois é, eu fiz e acho que deu certo (yn)...enfim, tô dando mais valor à vida! é sempre bom ler o que escreves, principalmente esses dois últimos dias! obrigada pela força, te cuida amiga, te amo!

    ResponderExcluir
  3. Mandica ^^

    já disse q vc esta escrevendo cada vez melhor? poise, vc esta escrevendo cada vez melhor, usando as palavras muito bm, q alias tocam de uma maneira onde nos faz refletir.
    esse negocio de ter q viver o presente é muito importante, temos q aproveitar cada momento, cada pessoas, cada sorriso, cada cair de folha se possível ao seu redor...é triste perder alguém tão próximo de nos assim bruscamente...guardar as coisa boas q importa...

    bjo grande

    =*

    ResponderExcluir