quarta-feira, junho 06, 2012

Pra nossa vida eu quero amor, o resto eu desconheço



A verdade é que não posso mais mentir pra mim. És tu, aquele pelo qual eu deveria esperar. Aquele que mesmo quando tudo dá errado e eu acabo perdendo as esperanças, és tu quem fazes tudo se encaixar onde tem que ser. E isso eu não posso mais fingir não enxergar. 
És tu o responsável por meus sorrisos no canto dos lábios, o mais discreto possível, só pra não fazer alarde de que te encontrei. Aquele que, mesmo sabendo que eu nunca irei confessar os meus problemas, fica ali no cantinho esperando que meu pranto cesse só pra me dar um abraço e dizer “eu estou aqui!”.
E mesmo com todos os outros olhares que já foram trocados com os meus, é o teu olhar que eu recordo de imediato, porque nele eu consigo me ver de um jeito único, do jeito que tu me vês. E no teu olhar, onde meus defeitos pouco importam, eu quero sempre estar.
Não importa o que fizemos lá atrás, só importa o que vem pela frente. Simples, natural, imprevisível: assim vai ser. Sem discursos longos para tentar explicar o que estamos sentindo, apenas deixando que nossos olhares falem por nós e que, certos ou errados, sigamos o que for mais forte que nosso próprio pensamento. Que nos joguemos, sem volta, nesse velho mundo novo que nos pinta hoje.

3 comentários: